Notícias

24/06/2016

Jornada Inovação e Competitividade

Programação extensa marca o evento da Fiesc

Um momento caracterizado por debates, palestras, homenagens e reconhecimentos. A Jornada Inovação e Competitividade 2016 registrou mais um grande sucesso. Realizado em maio, em Florianópolis/SC, o evento da Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc) chegou a sua quarta edição e reuniu centenas de pessoas, interessadas em ouvir e contribuir com temas pertinentes a indústria catarinense.
Na presença de empresários, diretores e gerentes de indústrias, autoridades, representantes de universidades e dirigentes de sindicatos de indústria, o evento debateu temas fundamentais para o desenvolvimento do setor industrial nos próximos anos. Nas palestras, temas como: qualidade de vida, educação, inovação e tecnologia e ambiente institucional, movimentaram a programação.
Ministrada por palestrantes de renome nacional e mundial, o evento contou com o senador Cristovam Buarque; Michael O’Donnell, da Universidade de Michigan; Naércio Menezes Filho, colunista do Jornal Valor Econômico; Elisabeth Reynolds, do MIT; Cláudio Frischtak, presidente da Inter.B; Samuel Pessoa, da FGV; e o jornalista William Waack.
Na ocasião, o presidente da Fiesc, Glauco José Côrte, destacou os debates realizados no evento sobre competitividade industrial, inovação, educação e qualidade de vida. “A indústria catarinense é forte e arrojada. Nossas empresas tem muita capacidade de inovar e superar desafios. A Jornada Inovação e Competitividade vem para debater os temas voltados a indústria e para servir de motivação para buscarmos por soluções para o setor”, destaca.
Côrte também falou sobre o momento político e econômico que o país enfrenta e reforçou que a inovação é o fator que ajuda a superar mais rapidamente a crise. “Quem inova entra depois e sai antes da crise”, destacou. Para ele, a união de esforços convergentes das indústrias, universidades e governo assegurará e ampliará a presença de produtos catarinenses inovadores e de qualidade em todos os cantos do mundo.
Para o industrial, “muitas ações, nos setores público e privado, são necessárias para que a mudança efetivamente ocorra. O aprendizado constante das empresas mostra que a inovação não é um processo que ocorre da noite para o dia. Mas o papel central que a inovação tem nas economias desenvolvidas mostra e comprova que os esforços valem a pena, para as indústrias e para a sociedade”.

Aliança Saúde
e Competitividade

Ainda na abertura foi realizado o lançamento, pela Fiesc, por meio do Sesi, a Aliança Saúde e Competitividade. O objetivo do programa é o engajamento e a participação de lideranças empresariais, acadêmicas, políticas e da sociedade na promoção da saúde e ambientes seguros para o trabalho, além de reposicionar o tema como um dos fatores estratégicos para a competitividade da indústria.
“Para a Fiesc, as vidas que fazem a indústria crescer são uma riqueza inestimável, que precisam ser cuidadas e protegidas por todos nós. Melhorar a segurança e a saúde do trabalhador da Indústria Catarinense é, para a Fiesc, um valor que se fundamenta, essencialmente, em respeito pela vida”, ressaltou o presidente da Fiesc.
Segundo ele, com o programa Aliança Saúde e Competitividade a Fiesc dá mais um importante passo para consolidar Santa Catarina na vanguarda das iniciativas e ações, destinadas a melhorarem a qualidade de vida dos trabalhadores e familiares, assim como ampliarem as condições de competitividade da indústria.

Entrega de novas instalações

A Jornada Inovação e Competitividade também foi marcada pela entrega oficial de novas instalações na sede da federação, em Florianópolis. O presidente descerrou a placa do novo bloco anexo ao prédio central da entidade e também inaugurou a Capela São José, um espaço ecumênico construído no local.
O novo bloco, chamado de Santa Catarina, em homenagem ao Estado, foi viabilizado com financiamento do BRDE. “Essa estrutura é importante para nós porque tínhamos duas entidades que ocupavam espaços alugados, a Previsc e o IEL, e que agora estão aqui. Conseguimos integrar todas as nossas unidades”, ressaltou Côrte.

Ordem do Mérito Industrial

Neste ano, Ordem do Mérito Industrial de Santa Catarina foi entregue a Cecília Ana Rubini Menegotti (Malhas Menegotti), Cesar Gomes Junior (Portobello), Colombo Machado Salles (ex-governador de SC) e Ninfo Valtero König (Atrio Hotéis). Trata-se da comenda máxima da indústria do Estado, que reconhece personalidades ou organizações que tenham contribuído para o desenvolvimento da indústria.
Ao receber a comenda, no dia em que completou 90 anos, Colombo Machado Salles foi aplaudido em pé pelo auditório lotado. O ex-governador, que discursou em nome dos demais homenageados, afirmou que é impensável o mundo sem a tecnologia, especificamente sem a indústria. “Não teria sido natural ao ser que pela primeira vez pôs a luz a luminar, a energia a aquecer, a máquina a transportar, sem o surgimento da Revolução Industrial no século 19”, declarou.
A Federação também entregou o Mérito Sindical a 17 sindicatos de indústria que cooperam para o fortalecimento da representatividade empresarial catarinense e que permanecem filiados à entidade por um longo período (25 anos, 30 anos, 40 anos ou 50 anos). Do Alto Vale do Itajaí foram homenageados na categoria Ouro, o Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Rio do Sul (SIMMMERS) e também, o Sindicato das Indústrias da Construção e do Mobiliário de Ibirama.

Setor metalmecânico
a grande força econômica do Alto Vale

Primeiro lugar em valor adicionado e terceiro em exportações, o setor metalmecânico é a maior força econômica do Alto Vale, empregando 20% de toda a mão de obra local.
Aqui se produz desde um pequeno parafuso até gigantescas caldeiras para geração de energia e máquinas para fabricação de papel. E o que é mais importante, com tecnologia de ponta, grande parte desenvolvida na região.
São peças e acessórios para os setores ciclístico, motociclístico e automobilístico, equipamentos para refrigeração, de som, hidráulicos, de elevação e transporte de cargas, fornos, máquinas para os setores mecânico e madeireiro, fundições, serviços de usinagem, pintura e fosfatização, entre tantos outros.
Algumas das principais indústrias metalmecânicas locais foram iniciadas em pequenos galpões e hoje são referência para o seu segmento no Brasil e no exterior, a ponto de terem seus produtos copiados e pirateados em outros países.
Apesar da crise atual, algumas empresas continuam ampliando o parque fabril e investindo em inovação e competitividade.
Os processos de automação e as parcerias internacionais têm garantido a manutenção e o aumento da qualidade e produtividade, mesmo com a redução de alguns postos de trabalho.
Para representar todas essas indústrias, defendendo os seus interesses, fortalecendo e consolidando o setor metalmecânico regional, é que surgiu o Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e do Material Elétrico de Rio do Sul (SIMMMERS), com o princípio de que “Um setor industrial forte e competitivo se faz com alta tecnologia, competência profissional e união de forças”.
O SIMMMERS foi um dos sindicatos patronais homenageados pela FIESC durante a Jornada da Inovação pelos seus 40 anos de filiação, reconhecidamente um dos mais atuantes e representativos sindicatos patronais do estado, com abrangência nos 28 municípios do Alto Vale.
A homenagem foi entregue pelo presidente da FIESC, Glauco José Côrte, ao fundador e primeiro presidente do SIMMMERS, João Stramosk, e ao vice-presidente de Relações Empresariais, André Armin Odebrecht.
Para Stramosk, “ter a oportunidade de receber esta homenagem, vendo que o nosso sindicato fez e faz muito mais do que aquilo que imaginamos quando o criamos, é altamente gratificante”.
Feliz por receber a homenagem em companhia do fundador, Odebrecht diz que ela é um momento ícone do trabalho realizado nestes 40 anos, por muitas pessoas que se dedicaram de forma voluntária para criar o sindicato. “O diferencial do SIMMMERS é ter um grupo de trabalho altamente qualificado há muitos anos, que tem uma organização, uma pró-atividade e o auxílio comunitário que se reflete na sociedade do Alto Vale. A homenagem deve ser estendida à parte executiva altamente profissional e aos presidentes e suas diretorias que dedicaram tempo e trabalho sempre de forma voluntária”.
O sindicato dispõe de pessoal qualificado para assessorar as empresas em questões jurídicas, ambientais e trabalhistas, como as convenções e os acordos coletivos, entre outros. Conta com um ambiente climatizado e equipado para reuniões, palestras, cursos e capacitações empresariais e profissionais.
Entre os serviços prestados para as indústrias destacam-se ainda a emissão de Certificado de Origem da FIESC para exportação, pesquisa de salários, indicadores econômicos e sociais, apoio e organização de eventos e missões empresariais a feiras e de negócios, além de visibilidade para associadas nas mídias do sindicato, entre outros.
As indústrias associadas contam ainda com vantagens econômicas específicas, como os descontos exclusivos nos cursos e serviços do SENAI, SESI, IEL e FIESC.

Por que associar-se
tem mais vantagens?

Por conta da legislação, as indústrias do setor, que não são associadas mas são representadas pelo SIMMMERS, contribuem anualmente com a Contribuição Sindical e com a Subvenção Patronal.
Já as indústrias associadas contribuem com 11 (onze) mensalidades (de fevereiro a dezembro) e são dispensadas da Subvenção Patronal. Elas não pagam mensalidade de janeiro porque pagam a Contribuição Sindical.
No entanto, há muitos casos em que o desconto de apenas um curso ou evento promovido pelo sindicato é o suficiente para cobrir as mensalidades de todo o ano e justificar a associação da empresa.
É assim, com indústrias comprometidas com a qualidade dos seus produtos e com o desenvolvimento e bem-estar da comunidade regional, aliadas a um sindicato forte e atuante, que o setor metalmecânico firma-se como a grande força econômica do Alto Vale.

Sindicato de Ibirama recebe homenagem
Sinduscom é agraciado pelos 40 anos de filiação à Fiesc

"Ações de reconhecimento, como esse da Fiesc, nos motivam a continuar com esse grande trabalho de cooperação para o fortalecimento da representatividade empresarial catarinense”, disse o presidente do Sindicato das Indústrias da Construção e do Mobiliário de Ibirama (Sinduscom), Genésio Ayres Marchetti. O empresário recebeu o Mérito Sindical na categoria Ouro pelos 40 anos de filiação à Fiesc, durante a Jornada Inovação e Competitividade, evento realizado em maio, em Florianópolis/SC.
Para o presidente, receber a homenagem é um grande reconhecimento pelo trabalho realizado em todos estes anos em prol das industrias do segmento, que juntas contribuem para o engrandecimento de Santa Catarina, bem como do Brasil. “O sentimento ao receber esta homenagem é o de gratidão à Fiesc pelo reconhecimento do trabalho e esforço de nosso Sindicato. Apesar de sermos uma pequena engrenagem na força da indústria catarinense, temos papel fundamental nesse processo”, ressalta.
A homenagem Mérito Sindical foi destinada aos sindicatos que cooperam para o fortalecimento da representatividade empresarial catarinense e que permanecem filiados à federação por um longo período (25, 30, 40 e 50 anos). Dos 17 sindicatos homenageados, dois eram do Alto Vale do Itajaí.

Sobre o Sinduscom

Com carta sindical requerida em 1973 e registro no Ministério do Trabalho em 1975, o Sindicato das Indústrias da Construção e do Mobiliário de Ibirama surgiu com o propósito de desenvolver os trabalhos de representação das indústrias do setor. Desde então, com atuação apenas em Ibirama, o sindicato buscou a extensão de sua base territorial, com o intuito de integrar também os municípios de Presidente Getúlio/SC, Dona Emma/SC, Witmarsum/SC, José Boiteux/SC, Vitor Meireles/SC, Apiúna/SC e Ascurra/SC.
Sob a gestão do presidente Genésio Ayres Marchetti, o sindicato conseguiu se mobilizar de forma constante na busca de qualificação e aperfeiçoamento dos profissionais nas indústrias. Uma das últimas conquistas do trabalho do presidente foi conseguir junto a Fiesc, através do presidente Glauco José Côrte e do Superintendente do Sesi, Fabrizio Machado Pereira, que o imóvel do Sesi em Ibirama fosse totalmente reformado, possibilitando a implantação de uma unidade conjunta do Sesi e Senai, visando atender as demandas da região, a obra ja iniciou e deverá estar sendo concluida em breve.
Negócios/2016/Capa_Negocios_148_Junho.jpg

Notícia relacionada à revista: Edição Negócios jun/2016